INUSITADO: Imagem de gato em bebedouro da UFT gera debates nas redes sociais: especialistas falam sobre doenças e métodos de controle; Diretora da universidade diz que projetos serão realizados

Por: @eduardoazev

A foto de um gato descansando em um dos bebedouros da Universidade Federal Tocantins (UFT), em Palmas, repercutiu nas redes sociais nesta semana. Em entrevista ao Blog do Eduardo Azevedo, o estudante de enfermagem Klisman Marques afirmou ter tirado a foto na última sexta-feira, dia 08 de abril, em um dos blocos da universidade. “Achei um tanto inusitado”, declarou.

O fato registrado pelo aluno é apenas mais um dos vários casos que envolvem felinos nas dependências da UFT. A foto de um animal morto dentro da instituição, por exemplo, também repercutiu nas redes sociais, levantando questionamentos sobre quais os esforços necessários para o cuidado e controle dos gatos.

O médico veterinário e pós-graduando em felinos, Marcell Henrique Schneider, afirmou que um dos principais problemas da grande quantidade de gatos em uma localidade é o abandono e a falta de castração. De acordo com ele, em um período de um ano um felino doméstico pode gerar até 15 filhotes. “Eles reproduzem muito rápido. Uma gata com cinco ou seis meses já pode ser tornar fértil”, declarou.

Quem vive dentro da universidade sabe bem com é a atual situação dos animais e também a falta de atenção por parte da própria universidade para esta questão. A estudante de direito Giulia Scaravanoti é uma das alunas que já buscou orientação da UFT para tentar resolver a questão dos animais.

“Conversei com a diretora do Câmpus de Palmas, Profa. Ana Lúcia, dois meses atrás pra tentar arranjar uma solução mais inteligente do que a de sumir com os gatos. Ela me disse que ia entrar em contato com os responsáveis pelo curso de medicina veterinária lá em Araguaina para trazerem os alunos pra castrar os bichanos aqui em troca de horas pra eles, mas até hoje não tivemos um retorno”, disse.

gato - porto nacional - creditos patricio oliveira
Felinos também ocupam o Câmpus de Porto Nacional – Imagem: Reprodução/Facebook

Giullia desenvolve um trabalho voluntário com os animais dentro da UFT e já chegou a levá-los para realizar a castração por sua conta e de sua família. No entanto, conforme relatado por ela, a grande quantidade de animais dificulta a realização deste trabalho. “Precisávamos de algum projeto. Quem sabe até com o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). Eu dei a ideia de criar um pequeno espaço dentro da UFT, para aqueles que gostam pudessem dar ração e água, assim eles ficariam mais por perto desse espaço e longe da lanchonete, pois com certeza eles iam preferir ficar em um lugar que tem sempre água e ração. Entretanto, a burocracia para criar um espaço como esse é grande, mas seria uma solução temporária”, relatou.

REDES SOCIAIS

Nas redes sociais, como sempre, as opiniões foram diversas. “Uma coisa é gostar dos gatos outra coisa é saneamento. Eles podem transmitir doenças. Existem as chamadas doenças de veiculação hídrica e a toxoplasmose que pode estar nos pelos do gatinho, nas fezes… Gestantes tem que ter cuidado”, disse um dos acadêmicos.

“Se cada aluno pegar um gatinho e apadrinhar ele, ou seja, levar para casa castrar e procurar um lar definitivo diminuirá e muito o acúmulo de animais na UFT”, aconselhou outra.

“Coitado do gato ele estava com calor e só encontrou um lugar para se refrescar”, defendeu uma terceira internauta.

A postagem da foto na íntegra e todo o debate você pode conferir AQUI.

 DOENÇAS

“Um animal bem cuidado, devidamente vacinado, dificilmente transmitirá alguma doença”. Essa foi a afirmação do médico e residente de clínica médica Walter Cardoso.

Em entrevista ao Blog do Eduardo Azevedo ele, que se formou na UFT, afirmou que cuidados básicos com felinos são necessários para que não haja problemas para o ser humano e também para o animal. A pedido da reportagem, ele enumerou algumas doenças que podem ser causadas por felinos que não são cuidados da maneira correta.

“Toxoplasmose, se em contato com fezes de um animal que contraiu a doença; raiva, se por motivo de mordida ou arranhadura; a doença da arranhadura do gato, conhecida como a Bartonella (a raiva é causada vírus e a da arranhadura por bactéria), entre outras. Gatos, assim como outros animais domésticos ou não, são reservatórios de diversos tipos de doenças e comportamentos agressivos podem culminar em contaminações graves também”, disse.

Walter reforçou que um animal de casa, bem cuidado, dificilmente transmitirá algo, mas destacou que no caso de algum acidente ou contaminação importante, médicos e veterinários devem ser consultados.

QUEM JÁ AJUDA

Em Palmas, várias pessoas já realizam trabalho por animais, divulgando correntes de adoção, ou mesmo realizando castrações por conta própria. A protetora de animais, Nice Regina Peixoto, é uma dessas pessoas. Ela faz parte do grupo de Proteção Gente de Pata e afirmou que o trabalho feito por toda a equipe é voluntário, mas feito com muito amor e respeito aos animais.

“Além de fazermos o que é de âmbito do governo, nós resgatamos, tratamos, castramos e dispomos pra adoção responsável. Nós tentamos conscientizar as pessoas que cada um pode fazer a diferença na vida de um animal. Pode alimentar, castrar e zelar pela vida desse ser indefeso. As políticas de castração existente em Palmas é precária, o CCZ dispõe de apenas 80 vagas/mês pra uma demanda enorme da população. A responsabilidade desses animais, já que o governo não assume, é de toda a sociedade”, afirmou.

Quem quiser acompanhar o trabalho desenvolvido pelo grupo, pode acessar a página deles no facebook clicando AQUI.

UFT

A diretora do Câmpus de Palmas, Profa. Ana Lúcia Medeiros, confirmou à reportagem que se reuniu com alunos e simpatizantes da causa para trabalhar em cima de um projeto para resolver os problemas dos felinos no Câmpus. De acordo com ela, esses projetos ainda não tiveram andamento por alguns impedimentos.

“A gente já ia começar esses trabalhos, mas eu passei por problemas de saúde. Também teve o processo eleitoral da UFT, que atrapalhou um pouco e esse projeto ficou parado, mas assim que eu retornar, já que estou de atestado médico, retomarei este projeto”, assegurou a professora, que voltará às suas atividades daqui uma semana.

De acordo com Ana Lúcia, ela já conversou também com uma ONG, com funcionários e acadêmicos da UFT para auxiliar nas estratégias que devem ser tomadas. “Uma delas é justamente esta, de trazer alunos da Medicina Veterinária. Absolutamente nenhum animal será morto, mas será trabalhado a castração e o envolvimento da comunidade por meio da conscientização. Queremos que tudo seja resolvido e que nenhum mal que aconteça aos animais”, disse.

O Blog do Eduardo Azevedo também entrou em contato com a Diretoria de Comunicação da UFT nesta quarta-feira, 13 de abril, e na tarde desta quinta-feira, 14 de abril, solicitando as seguintes informações:

– A UFT tem conhecimento se estes animais são devidamente vacinados?

– A UFT realiza algum trabalho de controle desses animais dentro da Universidade (Câmpus de Palmas)?

Até a noite desta quinta-feira, 14 de abril, o Blog ainda não havia sido respondido.

Anúncios

2 comentários em “INUSITADO: Imagem de gato em bebedouro da UFT gera debates nas redes sociais: especialistas falam sobre doenças e métodos de controle; Diretora da universidade diz que projetos serão realizados

  1. Creio que a UFT e oCurso de veterinária tem competência para resolver o problema com castrações , já que tem profissionais à disposição e firmar parceria com Ong de proteção aos animais para encaminhar a adoção !! Importante todos participarem e tornar o ambiente melhor a todos, inclusive os animais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s