Com mais de 3 mil votos, professora Isabel Auler é eleita a nova reitora da UFT: “Serão anos de grandes avanços para a Universidade”, diz

A vice-reitora da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Isabel Cristina Auler Pereira, e o diretor do Câmpus de Araguaína, Luís Eduardo Bovolato, da chapa “Confiança e Participação” foram eleitos, respectivamente, para os cargos de reitora e vice-reitor da universidade com 3.291 votos. A eleição ocorreu nesta terça-feira, 22, nos sete Câmpus da UFT. Eles assumirão a gestão no quadriênio 2016/2020.

A chapa “UFTLivre”, encabeçada pelo professor, José Expedito, obteve apenas 2.273 votos.

Em entrevista ao Blog do @eduardoazev na manhã desta quarta-feira, 23, Isabel, que é a primeira mulher eleita reitora da UFT, afirmou que a vitória deve-se principalmente pelo projeto apresentado e apreciado pela comunidade acadêmica. Ela elogiou o seu vice, Bovolato, e destacou que a UFT crescerá ainda mais. “Acredito que serão anos de grandes avanços para a universidade e para a qualidade referenciada do ensino, da pesquisa e extensão e da cultura”, disse.

Ela também falou sobre a importância de toda a equipe na construção do projeto, e evidenciou que a UFT exerceu de fato um momento democrático de direito. “Foram momentos de avanço no sentido de discussão de projetos diferentes, assim como no sentido de dar maior compreensão da UFT como espaço de cidadania. Foi uma campanha propositiva e muito elucidativa do ponto de vista de projetos para a universidade”, completou.

De acordo com Isabel,  a posse ocorrerá até o próximo dia 05 de junho deste ano, no Ministério da Educação. Ela substituirá o professor Márcio da Silveira, atual reitor.

Anúncios

ELEIÇÕES UFT: Nomes de alunos que já faleceram, de quem abandonou a universidade há anos e de quem estuda no IFTO constam na lista de aptos a votar para reitor na UFT

Por: @eduardoazev

Nomes de quem abandonou a Universidade Federal do Tocantins (UFT) há vários anos, de ex-acadêmicos que já faleceram e até mesmo de quem está finalizando sua graduação em outra instituição federal constam na lista de discentes aptos a votar na Pesquisa eleitoral para a reitoria da UFT, que ocorrerá na próxima terça-feira, dia 22 de março.

Em uma pesquisa realizada pela reportagem na lista de discentes aptos a escolherem o próximo reitor (o) e vice reitor da Universidade, foi constatado de que pelo menos 11 pessoas, sendo nove vinculadas ao curso de Comunicação Social – Jornalismo, uma de Ciência da Computação e outra de Arquitetura e Urbanismo não deveriam constar na listagem.

O primeiro caso verificado foi o de José Valdênio Leite Teixeira, ex-acadêmico de Jornalismo, que foi encontrado assassinado em sua residência no dia 26 de abril de 2014. Na ocasião, a própria UFT emitiu uma Nota de Pesar pelo ocorrido.

A1

Assim com este caso, também foi encontrado na lista o nome de Rômulo Ery Santos Freitas, que era estudante do curso de Arquitetura e Urbanismo. Ele veio a falecer em um trágico acidente no ano passado.  Ambos os nomes estão na relação divulgada pela Comissão Eleitoral.

OUTRA UNIVERSIDADE

Outro caso é o de um ex-estudante de Ciência da Computação. Em entrevista ao Blog do @eduardoazev ele, que pediu para ser identificado apenas com “Dias”, informou que abandonou o curso de Ciência da Computação no semestre 2012.1. “Nunca mais nem pisei na UFT”, afirmou. No entanto, seu nome também consta como apto a votar nas eleições para a reitoria.

A2

Portanto, de acordo com as informações repassadas pelo ex-acadêmico, ele estaria afastado da UFT há mais de seis semestres letivos. Ele também afirmou que estuda   atualmente no Instituto Federal de Educação do Tocantins (IFTO), Câmpus de Palmas,  e comprovou a informação encaminhando à reportagem sua declaração de matrícula:

A3

DEIXARAM A FACULDADE

Outras situações verificadas pela reportagem são a de alunos que deixaram a UFT há vários anos, mas mesmo assim ainda estão na lista, como aptos a escolher o próximo reitor (a) e vice-reitor da UFT. O ex-acadêmico de Comunicação Yhgor Leonardo Castro Leite, é um desses casos. Ele confirmou ao Blog do @eduardoazev ter trancado a faculdade há quase sete anos. Após ter sido aprovado no processo seletivo 2008.1, ele resolveu deixar a graduação. “Fiz apenas três períodos”, disse. Conforme a informação repassada pelo aluno, ele trancou o curso na UFT no semestre 2009.2. Yhgor reforçou que iniciou Gestão Pública fora da UFT e que já está concluindo o curso este ano.

A4

Atualmente estudante de Administração, Kenner Roger Reis Carvalho entrou para Comunicação Social – Jornalismo da UFT no semestre 2009.2, mas não chegou a concluir o curso. Posteriormente ele iniciou uma outra graduação fora da federal.“Fiz três períodos de jornalismo, cheguei a me matricular no quarto, mas nunca mais fui”, ressaltou. Ele reforçou ter deixado a graduação no ano de 2011, sem saber ao certo qual semestre daquele ano, o que daria em torno de 8 a 9 semestres afastado da UFT.

A5

Da mesma turma de Kenner, e que também consta na lista de aptos a votar no processo eleitoral, está o ex-acadêmico Adriano Cavalcante Reis e a estudante Lorrane Caroline Mesquita Nogueira. Em entrevista à reportagem, o primeiro afirmou ter abandonado a UFT ainda em 2012. “Desde que deixei a faculdade nunca mais voltei lá. Não sei nem como ficou a minha situação”, declarou. A segunda, após deixar a graduação em Jornalismo, já está concluindo o curso de fisioterapia na cidade de Marabá, no Pará.

Pedro Araújo Mesquita é outro que também deixou a UFT há quatro anos. “Tranquei em 2012. Não voltei mais lá, pois fiquei desanimado por conta das greves. Fui cursar Publicidade em uma faculdade particular”, destacou.

A reportagem também conseguiu falar com Paulo Cezar de Lima Pereira Júnior, Rodolfo Carvalho Brito Santos e Roseane Jaber Gouveia. O primeiro afirmou ter deixado o curso em 2011, já os dois últimos em 2012. Todos confirmaram que desde que saíram da UFT, nunca mais retornaram.

Posteriormente, a Comissão Eleitoral publicou uma lista final onde consta todos os nomes citados acima.

É importante ressaltar que a reportagem conseguiu identificar – em sua maioria – casos do curso de Comunicação Social – Jornalismo, pelo fato do repórter ainda fazer parte do quadro acadêmico e, portanto, conhecer os colegas e ex-colegas de curso. Não foi possível analisar nos demais cursos se a situação relatada acima se repete.

REGIMENTO ACADÊMICO

O Blog do @eduardoazev entrou em contato com a Pró-reitoria de Graduação da UFT (Prograd) e foi informado de que há um Regimento Acadêmico que determina os vínculos entre os acadêmicos e a Universidade.

Conforme o Art. 77 inciso I, desse regimento “O acadêmico terá sua matrícula cancelada quando deixar de renovar a matrícula por 2 (dois) semestres consecutivos ou não, situação que configurará abandono de curso, desfazendo-se o vínculo do acadêmico com a Universidade”. Conforme o regimento, os alunos citados na matéria não deveriam constar na lista.

Você pode conferir o Regimento Acadêmico na íntegra AQUI.

FRAGILIDADE DO PROCESSO

A reportagem também entrou em contato com o procurador-geral do Ministério Público Federal (MPF), Álvaro Manzano, para questionar a vulnerabilidade da Pesquisa Eleitoral, já que há nomes de pessoas que não deveriam constar na Lista de votantes, assim como a autorização de determinados documentos – como a carteirinha do Restaurante Universitário e de Estudante – que são aceitos para a identificação na hora do voto.

“Fragilizar (o processo) fragiliza. Uma das partes participantes do processo pode pedir uma depuração dessas listas, ou então, melhorar no momento da votação a questão da identificação do eleitor” disse o procurador-geral.

De acordo com Mazano, tal fato pode gerar questionamentos judiciais. “Depois, se levantar provas de que houve falhas no registro dos eleitores, e se a eleição for comprometida, o processo eleitoral pode sim ser questionado judicialmente”, completou.

DEMAIS VOTANTES

No primeiro regimento eleitoral assinado pela Comissão Central em 17 de fevereiro, os professores e técnicos afastados por interesse particular ou cedidos, além dos alunos com matrículas trancadas, estavam impedidos de participar do processo eleitoral.

No entanto, após a posse dos professores Elvio Quirino e Marcos do Santos, essas categorias – que estavam impedidas de participar da Pesquisa Eleitoral – passaram a ter direito ao voto.

De acordo com informações obtidas por meio do Serviço de Informação ao Cidadão (SIC), atualmente 338 alunos da UFT estão com matrículas trancadas. No caso dos professores 80 estão afastados, 07 estão cedidos ­ e 09 estão licenciados, totalizando assim 96 docentes que não estão exercendo no momento suas atividades na UFT. Já os Técnicos Administrativos­ ­estão com 26 afastados, 15 ­ Cedidos e 13 licenciados, o que dá um total de 54 administrativos temporariamente fora do ambiente universitário.

Você pode conferir a relação completa dos alunos da UFT com matrículas trancadas por curso AQUI.

O quantitativo dos professores afastados, licenciados ou cedidos você pode conferir AQUI.

COMISSÃO ELEITORAL

O Blog do @eduardoazev também entrou em contato com o presidente da Comissão Eleitoral, Élvio Quirino, para repercutir as informações. Ele orientou a reportagem a encaminhar um email para a Comissão solicitando esclarecimentos, o que foi feito no início da tarde desta segunda-feira, 21. No dia 29 de março, por meio de nota, a Comissão respondeu a solicitação da reportagem, conforme pode ser lida na íntegra:

“Informamos que a lista foi enviada para a Comissão Central Eleitoral pela PROGRAD. Portanto, não cabe ou cabia, a comissão excluir pessoas ou realizar Pesquisas ou Investigações de ocupantes indevidos da listagem.
A conferência técnica foi realizada verificando nomes em duplicidade, vale registrar que nosso prazo foi muito reduzido para promover a Pesquisa Eleitoral. Entretanto, sugiro vossa senhoria que solicite diretamente a PROGRAD seus questionamentos.
Ademais, comunicamos a vossa senhoria que estamos encaminhando para o Sistema de Ouvidoria da UFT a problemática levantada, onde será está registrada no sistema de ouvidoria Federal, e vossa senhoria estará recebendo protocolo do registro em até 20 dias a respostas dos questionamento”.

ELEIÇÕES UFT: Após incluir Carteirinha do Seturb como documento aceito na hora da votação, Comissão Eleitoral volta atrás e retira item

Uma semana depois de modificar o Regimento que estabeleceu as regras do processo eleitoral para a reitoria da Universidade Federal do Tocantins (UFT), incluindo a carteirinha do Seturb como documento aceito para votação, a Comissão Eleitoral Central (CEC) voltou atrás e retirou o item da lista. A inclusão da carteirinha havia sido noticiada pelo Blog do @eduardoazev no último dia 11 de março. Na ocasião, membros dos Centros Acadêmicos (CAs) de Nutrição, Jornalismo e Direito informaram à reportagem que nenhum dos processos eleitorais dos respectivos cursos aceita a carteirinha do Seturb como documento para votação. A retificação foi oficializada por meio do Comunicado nº 15 e divulgada nesta quarta-feira, 16, faltando apenas cinco dias para a eleição.

Além dessa mudança, também foi retificado o Art. 12 do regimento. Agora, ao término do horário da votação, “a mesa receptora deverá verificar a existência de fila dos eleitores e providenciar a distribuição de senhas nominais (palavra incluída) para quem se encontrar na fila de espera para votar”.

Confira os documentos que serão aceitos:

alt
Documentos oficiais que serão aceitos na hora da votação, no próximo dia 22.
Galeria

#DeOlho: Comissão Eleitoral divulga listagem de alunos, professores e técnicos aptos a participarem do processo eleitoral para a reitoria da UFT; Confira

ELEIÇÕES UFT
Eleições ocorrerão no próximo dia 22 de março – Foto: Talita Melz

Por: @eduardoazev

A Comissão Eleitoral Central (CEC), responsável pela organização da Pesquisa Eleitoral que escolherá o novo reitor (a) e vice-reitor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), divulgou nesta terça-feira, 15, a lista dos alunos, docentes e técnicos que estão aptos a votar nestas eleições.

A listagem foi divulgada por meio do Comunicado nº 14 e assinada por cinco, dos seis membros que compõe a CEC. Você conferir as listas abaixo:

LISTA DOS ALUNOS

LISTA DOS PROFESSORES E TÉCNICOS

 

ELEIÇÕES UFT: Substituição de quatro membros da Comissão Eleitoral, impedidos agora podem votar e até aceitação da Carteirinha do Seturb: confira as mudanças que ocorreram no processo eleitoral

Eleições
Eleições ocorrerão no dia 22 de março deste ano

Por: @eduardoazev

 

No dia 17 de fevereiro foi publicado o regimento eleitoral que manteria as regras das eleições para a reitoria da Universidade Federal do Tocantins (UFT).

Entretanto, no último dia 08 de março um novo comunicado assinado pela Comissão Eleitoral, composta por quatro membros diferentes e apenas dois membros originais, mudou pontos no regimento que podem interferir de forma significativa nas votações, que ocorrerão no dia 22 de março.

MUDANÇAS

Em fevereiro constava como representante do Diretório Central dos Estudantes (DCE-UFT) a acadêmica Histefânia Costa Alves. No entanto, por meio do comunicado nº 01, de 23 de fevereiro, a acadêmica do curso de Economia Maria do Socorro Lopes Macedo foi escolhida como a nova representante do DCE-UFT.

Da mesma forma ocorreu com o representante do Sindicato dos Técnicos Administrativos da Universidade Federal do Tocantins (Sintad) Marcos Antônio Baleeiro, que foi substituído no mesmo comunicado nº 1 pelo servidor Davi Ferreira da Silva.

Posteriormente, conforme já adiantado pelo Blog do @eduardoazev, o professor Elvio Quirino (novo presidente da Comissão Central) e Marcos dos Santos substituíram, respectivamente, os professores José Manoel Miranda e Paulo Cléber Teixeira, que se afastaram por problemas de saúde.

POST 1
Comparação entre a composição original e a atual – Imagem: Reprodução/UFT

Diferentemente do que foi dito pelo professor Quirino, que afirmou que seguiria “rigorosamente o Plano de trabalho montado inicialmente pela comissão”, pontos importantes do regimento foram incluídos e/ou alterados, ocasionado uma mudança significativa no processo, conforme pode ser observado na análise a seguir feita pela reportagem.

Na decisão inicial, os professores e técnicos afastados por interesse particular ou cedidos, além dos alunos com matrículas trancadas estavam impedidos de participar do processo eleitoral:

POST 2
Aptos a participarem da Pesquisa Eleitoral conforme determinação da Comissão Eleitoral Original

Após a posse de Quirino e Santos, essas categorias – que estavam impedidas de participar da Pesquisa Eleitoral – passaram a ter direito ao voto:

POST 3
Aptos a participarem da Pesquisa Eleitoral após a mudança de membros da Comissão Eleitoral

Em suma, ficou estabelecido que se você possuir matrícula na UFT você poderá votar, uma mudança realizada em meio ao processo de Pesquisa Eleitoral e que de fato pode vir a interferir na eleição.

No início da tarde desta sexta-feira, 11, o Blog do @eduardoazev solicitou à Diretoria e Comunicação (Dicom) da UFT a quantidade professores e servidores técnicos que estão afastados, cedidos ou licenciados e a quantidade de alunos da Universidade que estão com matrículas trancadas. Em resposta, a Dicom disse que solicitaria as informações e que tão breve tenha acesso a elas, repassaria à reportagem.

Outro ponto que foi modificado e poderá interferir de forma significativa a Pesquisa Eleitoral são os documentos aceitos para a identificação na hora do voto. Anteriormente, no adendo nº 01, assinado no dia 22 de fevereiro pelo então presidente José Manoel Miranda, constavam os seguintes documentos que seriam aceitos como identificação para votação:

POST 4
Documentos aceitos para identificação de quem poderá votar, conforme determinação da Comissão Eleitoral Original

Entretanto, após a posse dos novos membros, Elvio Quirino e Marcos dos Santos, a relação de documentos tornou-se mais abrangente, pois será aceito até mesmo a Carteirinha de Transporte do Seturb:

POST 5
Documentos aceitos para identificação de quem votará, conforme decisão da Comissão Eleitoral após a mudança de alguns membros

O Blog do @eduardoazev conversou com membros dos Centros Acadêmicos de Nutrição, Jornalismo e Direito e foi informado por eles que nenhum dos processos eleitorais dos respectivos cursos aceitam carteirinha do Seturb como documento para votação. No entanto, foi informado pelos membros dos cursos de Nutrição e Jornalismo, que os seus respectivos processos eleitorais aceitam a carteirinha do Restaurante Universitário (RU) como documento legal para comprovação de matrícula e, consequentemente, para votação em seus pleitos.

Ao Blog do @eduardoazev, Quirino afirmou nesta quinta-feira, 10, que a aceitação da carteirinha, assim como de outros documentos, foi amplamente debatida pela Comissão, e que foi autorizada a sua utilização para uma maior participação no processo. Ele também reforçou que para a confecção dessas carteirinhas, são apresentados documentos oficias, o que garantiria a lisura na apresentação do documento por parte do eleitor.

CHAPAS

O Blog do @eduardoazev também entrou em contato com os concorrentes das duas chapas solicitando um posicionamento sobre estas mudanças.

O candidato da chapa UFTLivre, professor José Expedito Cavalcante, informou que foi protocolado um documento solicitando à Comissão Eleitoral que mantivesse as decisões anteriores tomadas pela composição original. “A comissão eleitoral que elaborou os documentos normativos, construídos a partir do diálogo entre a comissão e a comunidade, presidida pelo professor Miranda. Ao inscrever a chapa faz parte do processo a concordância com as normas vigentes”, afirmou. De acordo com Expedito, a solicitação ainda não foi respondida.

As informações do documento na íntegra, que segundo Expedito foi protocolado para a Comissão, pode ser conferido aqui.

A reportagem também entrou em contato com a candidata, Isabel Auler, da Chapa Confiança e Participação, que afirmou estar em uma reunião fora de Palmas e que não poderia falar naquele momento. O espaço se mantém aberto caso a chapa queira se posicionar.

ELEIÇÕES UFT: Após desistir de se candidatar e de declarar apoio a uma das chapas, Elvio Quirino assume Comissão Eleitoral

elvio
Elvio Quirino – Imagem: Reprodução/Facebook

 

Por: @eduardoazev

 

Na última semana a Seção Sindical dos Docentes da Universidade Federal do Tocantins (Sesduft) indicou os professores Elvio Quirino, do curso de Economia, e Marcos dos Santos, de Arquitetura e Urbanismo, para serem os novos representantes docentes na Comissão Central do processo eleitoral que elegerá o novo reitor e vice-reitor da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Eles assumirão os postos deixados pelos professores José Manoel Miranda e Paulo Cléber Teixeira.

Em entrevista ao Blog do @eduardoazev, o professor Élvio Quirino afirmou que a substituição se deu pelo fato de Miranda e Teixeira estarem com problemas de saúde. Ele declarou ainda que não estava animado para fazer parte da Comissão Central, mas aceitou a proposta com a intenção de colaborar com o processo.

OFÍCIO
Ofício informando a substituição – Imagem: Reprodução/Facebook

Questionado pela reportagem se já houve alguma mudança no pleito com esta substituição, Quirino assegurou que eles darão prosseguimento nos trabalhos já desenvolvidos pela antiga composição. “A gente vai seguir rigorosamente o Plano de trabalho montado inicialmente pela comissão. Estamos dando continuidade ao trabalho de operacionalização do processo eleitoral e o nosso papel é organizar a eleição dentro de um regimento que foi definido pelas entidades organizadoras”, disse.

Além dos docentes, também fazem parte da Comissão Central, representantes dos estudantes e dos Técnicos da UFT.

APOIO À ISABEL E BOVOLATO

Em entrevista divulgada pelo Blog do @eduardoazev no dia 20 de fevereiro deste ano, Quirino demonstrou o seu interesse em sair candidato à reitoria da UFT. No entanto, um dia depois, ele divulgou por meio de postagens na rede social facebook, que não se candidataria. Na ocasião ele declarou apoio à candidatura da vice-reitora, Isabel Auler, e do diretor do Câmpus de Araguaína Luis Eduardo Bovolato.

Questionado pela reportagem se a sua colocação neste pleito poderia interferir no processo eleitoral, Quirino afirmou que a partir do momento em que assumiu o posto de membro da Comissão, seus posicionamentos estão “anulados”. “Nosso interesse é que a pesquisa seja organizada até o dia 22, seguindo o cronograma inicial proposto pela comissão. Absolutamente não (interferirá). No meu caso sou professor com 25 anos de carreira pública, e conheço o processo eleitoral da UFT”, completou.

Quirino ainda deixou claro que os membros da Comissão Central não podem adesivar os seus carros, não podem participar de reunião de chapas e não podem fazer manifestações públicas sobre suas preferências eleitorais. Ele não comentou se isso também serviria como regra para a escolha de quem viesse a assumir posto na Comissão, como é o seu caso.

TRANSPARÊNCIA

Durante a entrevista, Quirino destacou que primará pela transparência do processo eleitoral. De acordo com ele, a Comissão visitará a Procuradoria Federal da UFT para mostrar todos os seus documentos, entre eles a lista de eleitores. O professor ressaltou ainda que na próxima sexta-feira, 11, também procurará o Ministério Público Federal (MPF) e a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Tocantins (OAB-TO), para mostrar o cuidado com que estão administrando o processo eleitoral.

“A UFT nunca teve problemas em suas eleições para reitoria. Ela pode ter todos os defeitos, mas acreditamos que o bom senso tanto das chapas quanto dos membros da comissão eleitoral e da comunidade acadêmica deve prevalecer nesse processo”, completou.

#DeOlho: Chapa “UFTLivre” liderada por Expedito registra candidatura à Reitoria da UFT

Chapa1
Eduardo (E) e Expedito (D) compõem a chapa “UFTLivre”

Por: @eduardoazev

Os professores José Expedito e Eduardo Cezari registraram na manhã desta terça-feira, 23, a chapa UFTLivre. Eles concorrerão, respectivamente, para os cargos de reitor e vice-reitor da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Até as 18h horas, o grupo liderado pela atual vice-reitora, profa. Isabel Auler, é quem deve realizar o mesmo procedimento. A previsão é de que apenas essas duas chapas concorram à reitoria. A homologação final dos inscritos, conforme o regimento eleitoral, será divulgada na próxima sexta-feira, 26 de fevereiro. As eleições ocorrerão no dia 22 de março deste ano.

ELEIÇÕES UFT – Márcio da Silveira descarta reeleição e declara apoio à profa. Isabel: “ela precisa ser a protagonista neste momento”, diz

márcio e isabel 2
Márcio da Silveira não concorrerá a reeleição – Imagem: Dicom/UFT

Por: @eduardoazev

O reitor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Márcio Silveira, não concorrerá a reeleição para a reitoria, mas apoiará a chapa da vice-reitora Isabel Cristina Auler. Ele retornou as ligações do Blog do @eduardoazev na noite do último sábado, 20, e confirmou essas informações.

“Não vou participar. Inclusive estou ajudando a professora Isabel a articular a chapa. O professor Luis Eduardo Bovolato será o vice dela, ele que é muito ligado à minha pessoa. Toda a minha equipe está apoiando ela”, declarou.

Questionado pela reportagem sobre o motivo de não tentar a reeleição, ele afirmou que pretende se dedicar a outros projetos dentro da universidade.

“Eu fui oito anos pró-reitor de Pesquisa na gestão do professor Alan Barbieiro, e mais quatro anos reitor. Na verdade eu tenho 12 anos, que é exatamente a idade da UFT, dedicado à gestão. Eu preciso voltar para a minha atividade da pesquisa, e eu tenho muitas propostas agora para trabalhar fortemente no meu projeto do etanol da batata doce”, afirmou.

Mesmo declarando apoio à candidatura da vice-reitora, Silveira disse que não vai interferir na campanha eleitoral, pois de acordo com ele Isabel precisa ser protagonista neste momento.

“O projeto que ela vai seguir é o projeto que eu e ela desenhamos juntos, então é um projeto de continuidade. Há coisas que evidentemente estão dando certo, agora evidentemente tem coisas que vão ter que ser mudadas, tem coisas que terão que ser inovadas, mas meu apoio a ela é pela continuidade do projeto”, completou.

Silveira permanecerá no cargo de reitor até o dia 04 de junho.

DESISTÊNCIA

Na noite da última sexta-feira, 19, a @Blog do @eduardoazev conversou por telefone com o professor Élvio Quirino, que na ocasião afirmou que não havia descartado a possibilidade de registrar chapa. Já na noite deste sábado, 20, em uma postagem no facebook, ele declarou que não sairá como candidato. Ainda no texto, ele afirmou que também apoiará a profa. Isabel. Nos comentários da postagem foram publicadas muitas mensagens de apoio, mas também algumas críticas à decisão.

ELEIÇÕES UFT – Conheçam os candidatos à reitoria, os principais problemas do processo eleitoral e veja uma análise sobre as chapas

CANDIDATOS - UFT
Isabel (1) confirmou candidatura; Expedito (2) e Eduardo (4) formarão chapa de oposição; Elvio Quirino (3) ainda não decidiu se concorrerá – Imagens: Reprodução/Facebook

 

Por: @eduardoazev

Foi publicado na noite do último dia 18 de fevereiro, o regimento eleitoral com as normas que guiarão a escolha do novo Reitor(a) e da nova Vice-Reitor(a) para o quadriênio 2016-2020 da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Os interessados em registrar suas respectivas chapas terão apenas quatro dias, sendo que dois úteis, para realizar o procedimento, que finaliza no próximo dia 23 de fevereiro de 2016.

 

O Blog do @eduardoazev entrou em contato com os nomes que foram ventilados nos últimos dias, para confirmar suas intenções em participar do processo eleitoral.

O prof. José Expedito Cavalcante confirmou que registrará chapa e que terá como vice o Prof. Eduardo Cezari, do curso de pedagogia.

A atual vice-reitora, profa. Isabel Cristina Auler, também confirmou que concorrerá ao cargo de reitora. Nos bastidores, o nome do diretor do Câmpus de Araguaína, professor Luís Eduardo Bovolato, é o mais cotado para assumir a candidatura à vice.

O prof. Élvio Quirino Pereira não descartou a possibilidade de registrar chapa. “Nós ainda estamos dialogando com os membros da comunidade”, afirmou.

O Blog do @eduardoazev também entrou em contato com a Profa. Patrícia Orfila, que disse não ter interesse em concorrer. O prof. George Brito também descartou a possibilidade de se candidatar, mas reforçou que apoiará a Profa. Isabel no pleito.

Outro nome que havia sido veiculado era o do ex-reitor Alan Barbieiro, que atualmente é secretário de Planejamento, Gestão e Desenvolvimento Humano de Palmas. À reportagem, ele negou as especulações. “Não devo me envolver nas eleições, mas seguramente se a Profa. Isabel for candidata eu votarei nela, mas candidato de jeito nenhum. O que a gente tinha para colaborar com a universidade como reitor, já fizemos. Agora eu quero ser só professor mesmo”, declarou.

O Blog do @eduardoazev também entrou em contato com o reitor, Márcio da Silveira, neste sábado, 20, mas as ligações não foram atendidas. Informações de bastidores confirmam que ele não sairá candidato. Uma fonte do Blog chegou a afirmar que ele não declarará apoio à profa. Isabel por causa da sua rejeição no ambiente universitário.

Portanto apenas duas chapas confirmaram interesse em concorrer ao cargo.

PROBLEMA 1

Conforme divulgado, os organizadores do edital que guiará as eleições para a reitoria, representando as respectivas classes, são as seguintes pessoas:

 

PROFESSORES

José Manoel Miranda de Oliveira

Paulo Cléber Mendonça Teixeira

TÉCNICOS

Diógenes Alencar Bolwerk

Marcos Antônio Baleeiro

ALUNOS

Histefânia Costa Alves

Vanicleisson Dias Karaja Amorim

 

No texto, a primeira inconstância encontrada é a de que os acadêmicos que representam os alunos são citados como membros do DCE-UFT. Entretanto, mesmo tendo sido eleita em 15 de dezembro de 2015, a Chapa só tomou posse oficialmente nesta sexta-feira, dia 19 de fevereiro. Durante este período, era a Comissão Eleitoral quem respondia pelo DCE.

Na última quinta-feira, 18, em entrevista dada ao Blog do @eduardoazev, a representante discente na organização das eleições para a reitoria, Histefânia Alves, confirmou que também faz parte da Comissão Eleitoral que estava à frente do DCE. Em outras palavras, ela se “autoindicou” ao cargo. Questionada se era errado a pessoa se “autoindicar” para uma a função nas eleições da reitoria, a estudante foi enfática: “É porque ninguém quis na verdade”, disse.

PROBLEMA 2

Os membros da Comissão Eleitoral que são técnicos administrativos possuem uma relação próxima com a reitoria, pois fazem ou já fizeram parte do corpo diretivo. De acordo com uma pesquisa realizada nos Boletins Internos e no Portal da Transparência da UFT, Diógenes Alencar Bolwerk foi dispensado da função comissionada, código FG-01, em 31 de janeiro de 2016, mas foi nomeado no dia seguinte como Diretor de Programas e Projetos da Pró Reitoria de Extensão e Cultura (PROEX).

Já Marcos Antônio Baleeiro era diretor do Núcleo de Inovação Tecnológica da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação até o dia 31 de outubro de 2015, quando foi dispensado.

O Blog do @eduardoaev entrou contato na tarde deste sábado, 20, com o membro da Comissão de Ética do processo eleitoral da reitoria, Cristian Ribas, para questionar as duas questões informadas anteriormente, já que a Comissão é responsável por impugnar candidaturas.  Ele informou que verificaria as situações.

ANÁLISE

Conforme as palavras do Prof. Alan Barbieiro, que ficou por oito anos na reitoria da universidade, precedido pelo Prof. Márcio da Silveira, pode-se perceber que o mesmo grupo é quem dá as cartas por mais de 11 anos na UFT. Mesmo sendo vice-reitora, Isabel é quem de fato está trabalhando na UFT, assumindo muitas vezes o papel de reitora. O desgaste da gestão pelo descaso em que se encontra a universidade – principalmente nas questões físicas e de segurança – de conhecimento dos alunos, técnicos e professores – será um ponto determinante nas decisões de voto.

Outro reflexo deste desgaste pelo qual sofre a gestão está presente nos colegiados, locais onde se percebe grande desmotivação dos professores, pilares centrais na Universidade.

O grupo liderado pela vice-reitora é o mesmo que vem comandando a universidade por vários anos. O desgaste ao longo deste tempo será refletido neste pleito, basta saber se o grupo conseguirá se reinventar para apresentar um Projeto de gestão extremamente inovador. Experiência e conhecimentos administrativos eles possuem.

Os apoios de Alan Barbieiro, Márcio da Silveira e a divisão do colegiado de pedagogia, do qual Isabel faz parte, também podem pesar muito na escolha do voto, tanto para sim quanto para não.

Do outro lado está a oposição, que tem como grande dificuldade o sistema universitário. Questões financeiras também podem pesar neste sentido para este grupo, já que nestes processos sempre há muito recurso envolvido.  No entanto, a chapa liderada pelo prof. Expedito tem como vantagem a necessidade de mudança, que há muito já vem sendo aclamada por alunos e professores no âmbito universitário.

Também é importante destacar que os votos são igualmente proporcionais, isto é, alunos, técnicos e professores terão o mesmo direito na hora da escolha. Portanto, os mais visados nesse processo devem ser os alunos, pois são a maioria.

Agora é esperar para ver.

Você pode conferir todas as informações do Regimento Eleitoral AQUI.

DCE-UFT – Dois meses depois de eleita, Chapa ainda não tomou posse: “Peço desculpas”, diz presidente eleita

 

chapa eleita
Chapa única foi eleita em dezembro de 2015 – Imagem: Reprodução/Facebook

Por @eduardoazev

Dois meses e quatro dias depois de ter sido eleita, a Chapa “Da Unidade Vai Nascer a Novidade”, ainda não tomou posse no Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal do Tocantins (DCE-UFT). Neste período, a Comissão Eleitoral que organizou o Pleito é quem estava responsável pela representação dos alunos da UFT. Pensando nisso, oBlog do @eduardoazev entrou em contato na noite desta quinta-feira, 18, com a presidente eleita, Cinthia Santos Silva, do curso de Ciências Econômicas, para uma entrevista, que foi realizada por telefone.

Durante a conversa Cinthia não soube responder alguns questionamentos, como, por exemplo, se a Comissão Eleitoral publicou – ou não – o resultado da Chapa vencedora. Ela chegou a pedir desculpas pelo fato do grupo ainda não ter tomado posse.

Outro ponto destacado é a questão da presidente eleita não ter conhecimento de que a Comissão Eleitoral é quem está representando os alunos nas discussões que envolvem as eleições da reitoria. Inclusive um membro da Comissão Eleitoral para as eleições do DCE-UFT, se “autoindicou” para uma das vagas e, portanto, está representando (nós) os discentes nas duas comissões. Outra questão levantada foi o fato do ex-presidente do DCE-UFT, Vanicleisson Karajá, ser o outro representante dos acadêmicos.

Em contrapartida, a presidente afirmou que neste período de dois meses a equipe confeccionou um Projeto de Gestão, que será apresentado no próximo dia 27 de fevereiro em Araguaína, às 19h, no Cimba. Essa será a primeira ação do DCE-UFT.

Para entender melhor, confira a entrevista realizada para a produção da matéria:

@eduardoazev: Porque vocês ainda não tomaram posse?

Cinthia: “Vou dar o exemplo de Araguaína. Nós temos dois membros da cidade de Araguaína, e aqui as aulas voltaram em fevereiro. É um outro calendário”.

@eduardoazev: Mas mesmo assim, o que isso interfere na Posse de vocês? É apenas um rito oficial né?

Cinthia: Como?

@eduardoazev: É um rito oficial a posse no DCE-UFT, para que vocês possam exercer suas atividades, e de fato a chapa foi eleita para representar os alunos.

Cinthia: O DCE estava sendo representando pela Comissão Eleitoral.

@eduardoazev: Mas vocês é que foram eleitos… Então qual a representatividade que você pode assegurar para os alunos, sendo que vocês deixaram tanto tempo (dois meses e quatro dias), sem dar um respaldo, sem tomar posse?

Cinthia: Como eu te disse… A gente entendeu, né? Esse conceito de calendário, de eleição. Você entende que foi ruim ter uma eleição em dezembro? Você entende que foi um final de ano? Foi um tempo ruim…

@eduardoazev: Eu entendo que vocês assumiram essa responsabilidade e ficaram dois meses sem tomar posse, é essa a questão que estamos debatendo nessa matéria, inclusive como estudante que eu sou…

Cinthia: Eu entendo, e a gente está tentando consertar as coisas que estão acontecendo na universidade, sabe? Ouvindo muito os alunos e um tempo para refletir também tudo o que está acontecendo. Peço desculpas se foi falha da chapa isso, de não ter tomado posse antes.

@eduardoazev: Mas poderia ter tomado posse antes Cinthia?

Cinthia: Como eu te disse…

@eduardoazev: Poderiam ter tomado posse antes, vocês que venceram?

 

Cinthia: Acho que tudo é uma questão de analisar o cenário também, entendeu?

@eduardoazev: Regimentalmente, você como presidente eleita do DCE-UFT que tomará posse oficialmente a partir de amanhã, vocês poderiam ter tomado posse antes?

Cinthia: Olha, a posse conforme o regimento são 24h depois que o resultado é publicado né…

@eduardoazev: Então a resposta está exatamente nessa questão Cinthia.

Cinthia: Mas onde é que a Comissão Eleitoral publicou o resultado da Chapa vencedora?

@eduardoazev: Você foi eleita a presidente Cinthia, você tem que me dizer isso…

Cinthia: Não Eduardo, tudo bem, então assim amanhã (dia 19/02/16) a gente vai tomar posse, a gente tem que ver o lado bom também né? Que agora a gente tem um DCE e você pode cobrar isso.

@eduardoazev: Eu queria que você me respondesse qual o respaldo que vocês podem dar, sendo que poderiam tomar posse em 24h e deixaram passar dois meses. Como é que vocês vão ter uma responsabilidade com os alunos da UFT, se vocês não tiveram responsabilidade com a posse de vocês como representantes desses discentes?

Cinthia: Como eu te disse é uma questão de análise de cenário. Entendeu? A gente ia ficar o quê, dois meses sem aula, né? Dezembro quase todo sem nada, sem poder fazer um pouco de gestão. Dava pra fazer o quê? Janeiro também perdido, porque a gente não teria aula. Dez dias faltando em janeiro para Araguaína, ou seja, Araguaína só em fevereiro. É uma análise de cenário também Eduardo. Não é uma questão de só “vamo tomar, vamo”, mas vamos fazer o quê? É muito pior a gente ter tomado posse em dezembro e não ter feito nada, entendeu? Do que a gente tomar posse agora e já ter organizado um Plano de Gestão, que vamos apresentar amanhã (19/02/16), um Plano que será discutido todo no dia 27, e se você for colocar nessa matéria também espero que você convide, né? Os alunos da universidade a participarem e você também está convidado a participar, pra gente discutir esse Plano de Ação do DCE-UFT junto com os Centros Acadêmicos, os alunos que realmente são críticos, como você que está fazendo essa matéria, né? E discutir com a gente também uma Universidade melhor, entendeu?

@eduardoazev: Mas sabe o quê que aconteceu Cinthia, sobre essa omissão que houve, a Histefânia Alves é presidente da Comissão Eleitoral que coordenou as eleições do DCE-UFT. Esse mesmo DCE-TO é quem indicaria os estudantes para estarem representando os alunos agora nas eleições para a Reitoria. O que acontece, a Histefânia se “autoindicou” (para uma das vagas no dia 16/02/16).  Olha já o problema que deu…

Cinthia: Disso eu não posso te confirmar nada…

@eduardoazev: Eu que estou te afirmando, estou te repassando essa informação, porque ela agora está nas duas Comissões, então já é um problema. Outra situação é a do Vanicleisson Karajás, você o conhece?

Cinthia: Conheço, o ex-presidente (do DCE-UFT), né?

@eduardoazev: Você deve ter acompanhado a Gestão dele também né?

 

Cinthia: Tive (acompanhando) na universidade, teve um período de greve, mas estive…

 

@eduardoazev: Você sabe bem como foi a gestão dele. Ele é a outra pessoa que está representando os alunos agora nessa Comissão, que auxiliará nas eleições da Reitoria. Então, tudo nessa omissão do DCE-UFT, para você ver o que aconteceu. Esses problemas são alguns que eu consegui identificar até agora. Mas eu queria agradecer você pela atenção tá bom, por ter respondido às perguntas.

Cinthia: Se você puder ajudar a gente a divulgar, dia 27 de fevereiro agora, vai ser um Projeto piloto do DCE-UFT como primeira ação, em Araguaína às 19h no Cimba. É um evento para discutir o Plano de Gestão do DCE-UFT, o que os alunos querem do DCE-UFT. É isso que a gente quer discutir… E o quê que você Eduardo, quer hoje do DCE-UFT?

@eduardoazev: Como Cinthia? Eu queria que ele tivesse tomado posse, de verdade. Eu queria exatamente isso, que vocês realmente tivessem feito isso para posteriormente serem questionados como entidade, porque hoje vocês ainda não são né? Era isso que eu queria.

Cinthia: É…

@eduardoazev: A gente agradece novamente a atenção Cinthia.

@Cinthia: Tranquilo.

@eduardoazev: Muito obrigada!

Cinthia: De nada!

MEMBROS

Conforme divulgado na página do facebook da Chapa, 12 pessoas foram eleitas para representar os estudantes. São eles:

dce